Páginas

terça-feira, 9 de outubro de 2012

A cadeia alimentar do amor



Todo mundo já passou pela situação da "Cadeia Alimentar do Amor", não é? Espera, você não sabe o que é isso? Pois bem, você talvez não saiba de nome, mas já deve ter passado por isso ou já viu alguém passar por isso. Ela funciona do típico jeito de filmes: Uma pessoa gosta de uma pessoa x, que não corresponde a ela porque ela gosta da pessoa y, que goste ou não dela, e se não gostar é porque gosta da pessoa z, que enfim, vai talvez gostar da pessoa a (?) ou da x, ou da pessoa y, ou até de você! Nunca se sabe. 
Credo, coisa complexa.
Enfim, isso ocorreu comigo, e isso vai ocorrer com todo mundo pelo menos uma vez na vida. É o jeito das coisas acontecerem. É uma coisa louca que precisa de paciência, pois tudo está em uma constante mudança. Com o tempo tudo muda. Você cresce, você decide mudar de cabelo, de estilo, e pronto mudou. Assim, as outras pessoas podem querer fazer o mesmo (blé, o básico), e assim seus gostos mudarão. Inclusive de quem ela goste, talvez. Ou não. Depende do jeito dela, mas se ela começar a ouvir músicas de break up, chorar e de odiar todo mundo, é provável que sim.
O importante é saber que você pode começar a gostar de outra pessoa ou apenas esperar pelo outro. Ela ou ele podem se tocar de que é perda de tempo e que você sempre esteve lá para ele/a. Não é coisa de filme, não. Pense que os filmes tiraram todas aquelas idéias clichês de algum lugar, eu acho que eram de experiências próprias e da vida. Ou seja, aconteceram de verdade, elas são possíveis se houver jeito, química e conversas.
Pode ser que termine super bem tipo uma coisa meio “You Belong With Me” da Taylor Swift ou uma coisa "I'm Gonna Find Another You" do John Mayer, aí é com o destino.
Não precisa sofrer, por mais que seja bom chorar ás vezes. Não precisa pirar, por mais que seja bom dar uma descontada socando o travesseiro. Apenas, deixa rolar, viva um pouco, relaxa, respira, toma um tempo pra você. Tudo isso resulta em algo. É só esperar e quando você vê, você esquece, e quando não estamos procurando a vida nos trás muitas coisas boas!
Vou fazer isso.

Beijos!!!