Páginas

sábado, 9 de março de 2013

Dia ruim vs. Universo conspirador


Hoje eu estava ouvindo Monomania, da Clarice Falcão. O dia estava péssimo. Era uma sexta-feira que caiu o mundo, eu estava super doente e teria um final de semana com não uma, mas três festas para ir. Ah, e pra dar a cereja do bolo pra situação, to sem luz em casa e meu computador tá com 11% de bateria. E aí? No mínimo difícil, não é?
Enfim, por mais que pareça, o foco do texto não seria reclamar da minha vida. Voltando. Na, música, tem uma frase que diz tudo "Eu já falei, pra mim, jurei até, que essa não seria pra você e agora é". É, mas calma, calma, esse texto não é sobre nenhum dos dois meninos que já escrevi sobre nesse blog! Por mais que, eu queria que fosse pra algum deles.
Na verdade, poderia ser para qualquer um que esteja por aí, mas até o qualquer um não está aqui. Tô com aquele sentimento de vazio. Sabe quando você tem amigos super fofos que te visitam quando você tá doente, uma vida legal, um quarto só seu, pais e uma cachorra fofinha e etc? Mas ainda rola aquele sentimento de algo faltando e no momento o nome dele seria de "sinto falta de gostar de alguém".
Sinto falta de querer ver alguém, de saber que vou ver essa pessoa no dia e sentir meu coração palpitar mais rápido, trocar mensagens, ficar juntos, pensar em palavras boas pra tentar impressionar ou pelo menos criar uma conversa (que renda muuuuita coisa) que no final te faça deitar pensando sobre ela [e na pessoa, e em um beijo] quando você chega no seu quarto. Quero ter isso, quero sentir isso, e quero que seja logo. E sim, eu pensei naquela frase "quando você menos espera, acontece", mas mesmo se eu não esperar, se eu passar esse tempo todo dormindo, viajando, fingindo que não ligo ou até não ligar de verdade, será que ele acontece, mesmo?
Sei lá, eu sei que alguém vai ler isso e falar tipo "Ai, eu te entendo total! Mas a gente não precisa de ninguém", com aquele ar de "solteira sim, sozinha nunca" (mas bem menos brega, eu juro!) ou aquele do tipo "Somos mulheres bonitas, interessantes e legais e algum carinha nos espera por aí". E se você leu isso com a voz de alguma tia ou amiga que espera um princípe encantado ou até a amiga que mais se ilude sua, eu não te culpo porque eu leria também. E esse sentimento de vazio que eu estou sentindo agora não tem muito haver com aquelas frases não.
Tudo bem, não to quase morrendo por estar "sozinha", mas queria muito um abraço mais caloroso e intenso do que de um abraço amigo agora.
E hoje pelo menos, nada está cooperando para eu mudar isso.
Droga.